UFC de antigamente

Hoje o UFC está muito reconhecido e valorizado no mundo todo. Grandes lutadores e muito marketing fazem deste esporte um baita show. Em agosto teremos uma edição de UFC – Ultime Fighting Championship – no Brasil. O cara da vez é Anderson Silva. Aquele que enfiou um chute na boca do marido da Feiticeira e o nocauteou no primeiro round.

Mas vendo recentemente esta competição, lembrei do UFC de antigamente. Os três, quatro primeiros. Isto no longe ano de 1993. Eu morava no interior, em Piedade. Se minha memória não me trair, me pai alugava em fita de vídeo VHS (abaixo) para assistirmos no vídeo-cassete. Assistimos desta maneiras as cinco primeiras edições.

E um cara era foda.

Queríamos crescer e ser ele.

Royce Gracie.

Nos primeiros UFC alguns detalhes espetaculares: não tinha round. A luta começava e acabava só quando alguém desistisse ou fosse nocauteado. Tinha luta de 30 minutos de muita pancadaria. Valia tudo: puxar cabelo, meter um chute no meio do rosto do cara no chão e outras ‘maldades. Não tinha divisão de peso. Tinha lutador de 200 kg contra lutador de 80 kg. E o mais impressionante. Para ser campeão, era preciso vencer três, quatro lutadores na mesma noite. Igual os filmes do Van Dame que ele vai ganhando dos caras e enfrenta o bandido na luta final.

E o Gracie fez tudo isso acima. A imagem do cara entrando para lutar, com toda a família Gracie em trenzinho, era fantástica. E só lutando jiu-jitsu. Ele lutava de kimono porque disse que era instinto dos adversários segurar o traje. E neste momento ele levava os caras para o chão e ali finalizava. Era impressionante!

Royce Grace foi tricampeão do UFC. No primeiro, com oito caras, ganhou três lutas e foi campeão. No UFC2 foi campeão com quatro vitórias. Todas por finalização no chão. Na edição três, Gracie teve uma luta que o esgotou 110%. Não conseguiu disputar a semi-final (sempre na mesma noite) e desistiu. Voltou para o UFC4 e levou o seu terceiro título. Fez várias outras lutas nos anos seguintes. Já nas regras atuais. Teve inúmeras vitórias. Algumas derrotas.

Vi uma entrevista com ele esta semana no Sportv. Ele está esquisito. Fala umas coisas esquisitas. Metido. Estranho. Fortão. Sei lá. Disse que está treinando outras modalidades de luta. Disse que vai voltar a lutar. Será bem legal.

Mas seria legal, entrar no octógono (lugar das lutas), com kimono, e finalizar o oponente com o Jiu-jitsu Gracie.

UFC de antigamente era animal. Hoje o show é bem legal. É muito bem produzido. Mas luta mesmo era do inicio dos anos 90.

Observação muito importante

Olá senhor Royce Gracie. Tudo bem? Se o senhor está lendo este post, quando eu falo que está esquisito, não me interprete mal. É apenas uma colocação sem importância nenhuma. Em nenhum momento quero que o senhor fique bravo comigo. Sou um grande admirador da sua carreira. Me desculpe se escrevi algo que não gostou.

Um abraço gostosinho.

Abaixo um vídeo que dá para ter noção como eram as lutas de antigamente:

Anúncios
Esse post foi publicado em Causos do Nei e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para UFC de antigamente

  1. Edson Barros disse:

    Porra legal tambem era o Pride….Sakuraba, Minotauro, Igor, Mirko Krokop e Vanderlei Silva…era pancadaria em um ringue rss

  2. naquela época nao podia morder, puxar o cabelo e enfiar o dedo no olho… o resto era liberado e ate que alguem nao aguentasse mais…

  3. iliabe disse:

    caramba eu sou fã do royce não só dele como da familia grace eles são uma grande referencia não só no brasil como no mundo!!!!!! é isso aí jiu-jitsu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s