Stock Car: “Os últimos serão os primeiros”

Alceu Feldmann conquistou em Santa Cruz do Sul a sua primeira vitória na Stock Car. Alceu largou na 26ª colocação e aproveitou que estava lá trás para parar antes de todo mundo, no pit stop obrigatório. Deu sorte que teve Safety Car e conquistou uma vitória de estratégia. Parabéns ao piloto e ao engenheiro Thiago Meneguel pela estratégia.

Falando de Playoff, o melhor colocado foi Marcos Gomes. O 7º colocado no campeonato chegou na 2ª colocação e Caca Bueno, o terceiro, foi o 3º na prova. Os outros finalistas: Ricardo Mauricio, 4º, Maxi Wilson, 5º, Popo Bueno, 7º, Luciano Burti, 10º. Os que se deram mal: Thiago Camilo – era líder – abandonou com cambio quebrado, Allam Khodair parou na ultima volta quando era terceiro com falta de combustível (eu acho), Atila Abreu e Daniel Serra abandonaram.

Parabéns ao Alceu e ao Claudio Stringari, seu assessor e manager. Ano passado escrevi aqui que tinha perdido a virgindade na Stock e hoje foi o dia dele. Parabéns!

Na foto os dois amigos: Claudio e Alceu.

Resultado da prova:

1)      Alceu Feldmann

2)      Marcos Gomes

3)      Caca Bueno

4)      Ricardo Mauricio

5)      Max Wilson

6)       Valdeno Brito

7)      Popo Bueno

8)      Nono Figueiredo

9)      Felipe Maluhy

10)  Luciano Burti

11)  Ricardo Sperafico

12)  Lico Kaesemodel

13)  Duda Pamplona

14)  Julio Campos

15)  Rodrigo Sperafico

16)  Xandinho Negrao

17)  Eduardo Leite

18)  Rodrigo Navarro

 

Não terminaram

 

Allam Khodair

Tuka Rocha

Ricardo Zonta

Sergio Jimenez

Denis Navarro

Daniel Serra

David Muffato

Atila Abreu

Diego Nunes

Thiago Camilo

Anúncios
Esse post foi publicado em Stock Car e marcado , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Stock Car: “Os últimos serão os primeiros”

  1. Pingback: Stock Car: veja como esta a disputa pelo título | Bobo da Corte

  2. José Mário Dias disse:

    Caracas, estou MUITO feliz com a vitória, comecei no automobilismo com ele. Valeu!!!

  3. Stringa disse:

    Nei, obrigado pela “homenagem”, mas o grande vitorioso é o Alceu Feldmann.
    Trabalho com ele desde 2006. Comecei como assessor de imprensa e hoje sou manager, cuidando dos negócios relacionados à corrida (negociação com equipes, patrocinadores, etc.).
    Ontem foi um dos dias mais felizes da minha vida.
    Mesmo estando no automobilismo desde 1999 e ter escrito releases sobre vitórias de vários clientes, essa teve um gosto especial.
    O Alceu começou no automobilismo com mais de 20 anos, não correu de kart, não é piloto profissional e nunca andou fora do país.
    Tem seus afazeres como qualquer mortal. Reuniões, metas, faturamento, compra, venda, preço, mercado, safra e logística são palavras que estão no dia-a-dia.
    Setup, suspensão, pneu, motor, pit stop, telemetria são palavras que só entram na “pauta” nos fins de semana de corrida.
    Diferente de 99% do grid, que só pensa em automobilismo 24 horas por dia, ele sai do autódromo no domingo preocupado com a reunião das 8h da manhã de segunda-feira.
    Mas, diferente do que muitos podem pensar, Feldmann se prepara obstinadamente para entrar num carro de corrida. Controla alimentação, faz preparo físico, treina de kart, enfim, leva a vida como um atleta.
    Já ouvi muitas besteiras pelo fato de o Alceu não ser do “berço do automobilismo”. Foi criticado muitas vezes por erros na pista. Falhas estas que são cometidas em todos os fins de semana por vários outros pilotos, mas que jamais são abordadas da mesma forma. Ouço: “foi coisa de corrida”, “ele perdeu o ponto de freada”, “o carro devia estar com algum problema”, “a visibilidade era ruim” e outras coisas do gênero…
    Ou seja, ele faz merda como qualquer outro, mas a porrada é sempre mais forte. Mesmo assim, ele não se abateu, continuou perseguindo o sonho de vencer e, principalmente, respeitou seus adversários.
    Ele corre por hobby, claro, mas leva a sério, se dedica e busca uma vitória na Stock Car desde 2000. Correu em outras categorias e foi vice-campeão da GT3 em 2007, categoria na qual tem sete vitórias. Mas na Stock “bateu na trave” várias vezes, com dois segundos lugares e quatro terceiros. Faltava o primeiro lugar, que veio neste domingo, de forma heróica. Com uma estratégia ousada, ele assumiu a ponta da corrida com uma ultrapassagem perfeita em cima de um ex-piloto de Fórmula 1 (Zonta), e segurou o primeiro lugar com tranquilidade. Aquela chamada corrida sem erros.
    Por tudo isso, creio que ele merecia essa conquista.
    Desculpe o tamanho do comentário, mas como sei que seu blog é lido por um grande número de pessoas que, como eu, amam corrida, resolvi compartilhar essa história.
    Já trabalhei com muita gente legal, mas aprendi com o Alceu o valor de uma vitória na Stock Car.
    Uma frase expressa um pouco do meu sentimento:
    “O sofrimento é passageiro, desistir é para sempre”. Lance Armstrong.

    Abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s